Cultura Cervejeira – Adjuntos Cervejeiros

30 de outubro de 2015 0 Por blogmundodacerveja

maltandbeer

Olá a todos, nos primeiros posts que propusemos abordar os ingredientes da cerveja nós abordamos os ingredientes principais, os insubstituíveis, com a falta de um deles, não temos cerveja. Por último, resolvemos abordar alguns produtos que podem fazer um resultado fabuloso na produção de uma boa cerveja, fora os componentes principais.

Repetindo o post que fala do que é feita a cerveja (clique aqui para ver a postagem), “a cerveja é uma bebida produzida a partir da fermentação de cereais, principalmente a cevada maltada, além dos cereais maltados, temos a água, o lúpulo e as leveduras”. Portanto, fora esses principais ingredientes, qualquer produto que aparecer na formulação da cerveja, seja cereal, seja frutas, legumes, especiarias, serão denominados adjuntos cervejeiros.

Isso se deve a uma lei alemã de 1516 chama Reinheitsgebot, (Lei de Pureza da Cerveja em alemão) essa lei instituiu que a cerveja deveria ser fabricada apenas com os ingredientes citados no parágrafo acima. Logicamente, com esses ingredientes podemos fazer inúmeros tipos de cerveja, tudo dependendo da quantidade usada de determinados produtos, cereais mais torrados conseguem fazer cervejas diversificadas, quantidades e tipos diferentes de lúpulo podem fazer uma cerveja de sabor diferente.

Mas era só atravessar a fronteira da Alemanha com a Bélgica que encontramos outra escola cervejeira, exemplo clássico é a cerveja tipo Witbier, que além de conter em sua formulação trigo não maltado para deixá-la mais leve, também recebe cascas de laranja e semente de coentro. Então temos uma cerveja que não é puro malte, mas com qualidade absurda e maravilhosamente deliciosa.

Mas esse assunto se tornou até polemico por causa de três palavras que estão nos rótulos das principais marcas de cerveja no país: CEREAIS NÃO MALTADOS.

O que é isso? Muitas vezes as grandes indústrias de cerveja utilizam boa quantidade de milho ou arroz na formulação de nossas cervejas mais populares e camuflam essa informação com essas palavras. A utilização desses cereais serve tanto para conseguir uma cerveja mais leve, permitindo o consumidor bebê-la em maiores quantidades (acredite, se você consegue tomar, por exemplo, uma caixinha de lata de cerveja de 350 ml, vai ter sérias dificuldades ou até mesmo não vai conseguir tomar nem metade dessa quantidade de uma cerveja de trigo) e também para baratear o seu custo.

Agora, minha opinião sobre esses cereais não maltados, ou outros adjuntos cervejeiros, vai de encontro com o que li no site da Escola Superior de Cerveja e Malte (www.cervejaemalte.com.br) ao fazer minha pesquisa sobre esse assunto:

“Será que cerveja com adjunto (cereais não maltados) é sinônimo de baixa qualidade?

DE MANEIRA ALGUMA!

Este é um assunto que gera muita discussão, principalmente com a descoberta do consumidor da utilização de adjuntos na cerveja. Ou mesmo pelo conservadorismo de muitos cervejeiros com a utilização destes.

Porém, os adjuntos não devem interferir nas características da cerveja, devendo ser o mais brando possível. De forma que não estão relacionados diretamente à qualidade do produto final, quando utilizados corretamente, da mesma forma que uma cerveja por ser 100% malte não é garantia de que seja uma cerveja de boa qualidade.

“Sendo assim, podemos sim ter cervejas mais baratas e de qualidade com a utilização de cereais não maltados, como também podemos ter cervejas excelentes puro malte.”

Portanto, a cerveja pode ter o mais bizarro ingrediente no meio de sua formulação, mas se ela for gostosa, refrescante, te traga prazer ao degustá-la, deguste-a sem medo.Dúvidas, criticas e sugestões, mande um e-mail para bebacomagente@blogmundodacerveja.com.br, abraços e boas cervejas a todos.