Não é Só Cerveja!! Brewdog – Meu caso de amor por essa cervejaria!

Não é Só Cerveja!! Brewdog – Meu caso de amor por essa cervejaria!

24 de maio de 2019 1 Por blogmundodacerveja

Por: Diego Rodrigues

 

Fala meus jovens! Depois de uma sumida (sim, minhas cervejas não caem do céu! Eu preciso trabalhar!) Gostaria de continuar do ponto em que eu parei. Lembram da minha primeira experiência no mundo das cervejas especiais? Se não se recordam ou se essa é a primeira vez que você perde tempo lendo algo que estou escrevendo, minha introdução nesse universo foi com algumas Brewdogs e isso me levou a criar uma empatia e querer saber mais da cervejaria e com isso veio também um desejo de colecionar itens correlatos à marca. A minha intenção nesse texto é apresentar para vocês que não conhecem muito sobre a marca e sobre a história dela no meio cervejeiro e de quebra mostrar para vocês algumas cervejas que tenho e algumas que eles fizeram que são no mínimo diferentes do habitual.

Não pare de ler agora, é sério, vou colocar uma foto legal agora para prender sua atenção!

Vamos começar trazendo um resumo da história dos caras e de como eles alcançaram o nível que estão hoje!

No site www.brewdog.com você consegue ler em mais detalhes, mas a história dos caras se inicia em 2007 lá na Escócia (Fraserburgh), onde 2 malucos e um cachorro começaram a sua corrida atrás do objetivo deles que era “Fazer com que as pessoas fossem tão apaixonadas pela cerveja artesanal como eles eram.”

Em 2008 os caras criaram umas das cervejas mais potentes de UK uma cerveja chamada Tokyo*, tratava- se de uma Imperial Stout de 18,2% de teor alcoólico, uma cerveja que dispensa apresentações.

Em 2009, rolou uma das paradas que acho mais geniais na história dos caras que é o Equity For Punks, basicamente os caras ofereceram ações da Brewdog para as pessoas que queriam comprar e tiveram o resultado de 1.300 acionistas. Esse modelo é muito legal e continua até hoje e caso vocês tenham interesse em entender sobre, segue aqui link para mais detalhes: https://www.brewdog.com/community/equity- for-punks .Foi neste ano também que eles lançaram uma nova cerveja extrema, a Tactical Nuclear Penguim, uma cerveja no estilo Eisbock com incríveis 32% de teor alcoólico, imagina tomar uma parada dessa no vira-vira? Será que você teria coragem?

Em 2010 abriram o primeiro bar deles na Escócia e continuaram a crescer o time operacional da cervejaria consolidando assim seu lugar no mercado. Foi nesse ano também que eles lançaram a cerveja mais sinistra deles, a End of History, uma cerveja também no estilo Eisbock com pasmem, 55% de teor alcoólico! Mas Diego, como os caras chegam nesse ABV altíssimo? Bom, dei uma pesquisada e descobri que os caras utilizam um processo de destilação no gelo onde submetem a cerveja à uma temperatura de – 40° por alguns meses, depois retiram o gelo e concentram o líquido, o álcool e também conseguem manter os aromas e sabores, todo esse processo demora em torno de 7 meses para ser finalizado e foram feitas na época somente 12 garrafas que foram vendidas em 20 minutos.

Você pode estar pensando, porque os esquilos? Bom, os caras não mataram os esquilos, eles já estavam mortos e a idéia deles era trazer uma experiência bonita e ao mesmo tempo perturbadora, queriam levar as pessoas a uma reflexão sobre todas as possibilidades que a cerveja pode ter.

Depois disso os caras seguiram crescendo, expandido seu modelo de acionistas que, em 2017 chegou a incríveis 70k e entrando em diversas áreas sempre trazendo a bandeira da Brewdog e levando o conceito “Craft Beer” até as pessoas. Hoje os caras possuem diversos bares no mundo (46 e tem um aqui no Brasil – São Paulo), possuem uma companhia aérea e pasmem, um hotel temático. No que diz respeito a cervejas, recentemente eles lançaram uma nova linha de cervejas ácidas conhecida como Brewdog Overworks.

Espero que tenham gostado desse pequeno resumo sobre os caras! E sim, como fã que sou tenho algumas cervejas e copos que vou falar para vocês na sequência.

Em comemoração ao aniversário de 5 anos da Brewdog, eles lançaram uma cerveja chamada DOG A, uma cerveja do tipo Imperial Stout e esses lançamentos começaram a ter uma sequência que este ano chegou até a letra H e todas essas cervejas possuem um alto teor alcoólico como é costumeiro quando se fala dos caras.

Eu tenho na minha coleção as letrinhas de A até G, e espero em breve conseguir a letrinha H, o grande desafio aqui é controlar a ansiedade para não beber todas elas, e fica a dúvida: Será que consigo aguentar até a letra Z? Talvez por não saber se os caras vão seguir produzindo as cervejas nessa temática, eu venha a provar todas, e podem ter certeza que essa bebedeira vai gerar uma nova resenha para compartilhar aqui com vocês.

Tenho diversas cervejas deles aqui em casa, mas essa coleção é uma das mais especiais que tenho e em alguns casos, foi bem difícil conseguir, tem muita gente envolvida nesse processo, vários amigos que foram feitos provando mais uma vez que não é só cerveja, sempre tem um algo a mais.

Valeu! E obrigado pela leitura!